Branding: como contar a verdade no Storytelling da marca!

 Em NOTÍCIAS

As redes sociais abriram espaço para uma transparência jamais vista, e agora você precisasaber o que deve (ou não) ser dito em seu branding!


Hoje não somos apenas nós que nos expomos demais: as marcas têm agido quase como pessoas, fomentando diálogos que vão dos posts à inbox, e tudo isso tem de estar alinhado como um Sistema de Identidade Visual faz com seu logo e website.

É por isso que vou te contar três tipos storytelling que revelam brandings que muitas pessoas sequer imaginam!

Transparência Digital

Como freela, você contaria seu valor/hora a um cliente? Provavelmente não, mas algumas empresas como a Everlane dizem isso e muito mais – e é daí que vem seu sucesso!

Em seu site, a marca exibe orgulhosamente o slogan “Transparência Radical”, pois é justamente assim que ela opera: com seus infográficos, a Everlane mostra a hora de um costureiro, os processos de entrega, preço de materiais e etc…!

branding-como-contar-verdade-storytelling-da-marca-everlane

Por quê? Com esse branding, a marca se coloca praticamente como uma amiga dos seus consumidores através de uma relação de honestidade – o que é muito diferente das marcas comuns, que você vê o produto e pensa: “essa camisa de 100 reais não deve ter custado 20 pra eles.”

Branding Territorial

Você já cansou de ver estabelecimentos com nomes de lugares, mas quantos deles aproveitam disso? O que tem de baiano nas Casas Bahia que nem da Bahia é?

Toda marca nasceu em algum lugar, e todo lugar tem algo a dizer, como faz a Brooklyn Soap Company, que incorpora o bairro em seu storytelling ao transmitir valores locais – como a street art e a música –, usando também referências imagéticas que enriquecem o orgulho dos locais (e até atrai outsiders já que o Brooklyn é muito famoso).

Aliás, o que são Copa e Olimpíadas se não branding de território?

branding-como-contar-verdade-storytelling-da-marca-brooklyn-soap-company

Branding de Vida Pessoal

Esse é um estilo que só poderia ter nascido em tempos de redes sociais!

Algumas marcas “mais pessoais” compartilham um lado mais humano com seu público pois um branding pessoal ligado a um serviço de qualidade estabelece uma relação de “amizade” forte entre marca e cliente – e isso se estende até a não-humanos:

google-self-driving-autonomous-car-call-to-action2

Um exemplo é o caso da Magazine Luiza, que fidelizou mais clientes quando começou a dar bom dia no Facebook, por exemplo! Achou pouco? Ano passado falamos da antropomorfização no design, e descobrimos que o CARRO do Google ter um rosto e nome é CRUCIAL para o seu sucesso!

Ao largar seu lado corporativo, imediatamente aumenta-se a confiança, o afeto e melhor: a tolerância! Como aconteceu com o carro do Google, quem você acha que o público está mais disposto a perdoar em caso de problemas: a Magazine Luiza, ou aquela entidade que os seguidores da página chamam de “Lulu”?

Se a sua marca tem um nome pessoal, você tem uma excelente chance de criar laços poderosos com seu público!

Fonte: temporalcerebral.com.br
Recommended Posts

Leave a Comment